priscilla

Priscilla mostra Elvis Presley muito menos encantador – e isso é bom

Se Priscilla Presley nunca tivesse existido na vida real, ela teria sido uma protagonista ideal para um filme de Sofia Coppola. Casada com o lendário astro pop Elvis Presley, Priscilla era uma jovem de olhos brilhantes introduzida no mundo da fama e fortuna. Apesar de viver uma vida privilegiada nos limites de Graceland, ela se sente alienada e solitária.

Coppola se destaca em histórias de mulheres jovens abastadas com uma névoa melancólica inabalável, como em “As Virgens Suicidas” e “Maria Antonieta”. Sua mais recente obra, “Priscilla”, subverte meditativamente a personagem e o ambiente de uma das figuras mais proeminentes do século XX.

‘Priscilla’: A Antítese de ‘Elvis’

Baseado na autobiografia de 1985, “Elvis e Eu”, o filme de Coppola narra a relação entre Priscilla (Cailee Spaeny) e Elvis Presley (Jacob Elordi) após a ascensão meteórica deste como ídolo adolescente, astro de cinema e ícone de Las Vegas.

A história é contada sob a perspectiva dela. Representações artísticas do Rei do Rock encontraram espaço na tela grande nos últimos dois anos. Se os espectadores ainda tinham dúvidas nos primeiros momentos do filme, “Priscilla” é tudo o que “Elvis”, de Baz Luhrmann, não foi.

Além do brilho e glamour da estética cinematográfica de Luhrmann, o filme de 2022 abraçou a aura sedutora de Elvis, tanto no palco quanto em sua vida pessoal. O desempenho indicado ao Oscar de Austin Butler como o Rei evitou que o filme se tornasse uma paródia, mas não escapou da glorificação de Luhrmann em seu videoclipe de duas horas e meia.

A Nova Abordagem de Sofia Coppola a Elvis Através da Perspectiva de Priscilla Presley

Em uma entrevista ao New York Times com Sofia Coppola, foi afirmado que o sucesso de “Elvis” “atrairia interesse pela história de Priscilla” para o público. Enquanto o filme de Luhrmann mergulha na grandiosidade de Elvis, o filme de Coppola mostra um lado vulnerável, se não inseguro, dele.

Jacob Elordi, estrela de destaque de “Euphoria”, usa sua imponente estatura em relação a Cailee Spaeny para transmitir uma existência maior que a vida. O desempenho de Elordi, semelhante às lembranças do estilo de vida luxuoso de Priscilla, é incrivelmente autêntico.

Ele captura a essência de Elvis, abrindo mão da imitação direta. Elordi possui a beleza natural e o charme para carregar o peso titânico de Elvis, mas sua sensibilidade expressiva é sua maior contribuição para o tema de Priscilla. A vulnerabilidade radiante de Elvis, interpretado por Elordi, transita entre a sinceridade e o mistério sombrio.

+ Quer ganhar um teste de até 1 MÊS GRÁTIS DE STREAMING? Clique Aqui e aproveite!

Seu afeto doce, ofuscado pelo fervor sexual de sua música nos anos 1950, é o que atrai Priscilla. Apesar de sua fama, Elvis está encantado com Priscilla com a timidez de um estudante do ensino médio convidando uma garota para o baile. Quando ele implora ao pai de Priscilla, o Capitão Beaulieu (Ari Cohen), para permitir que ela saia com ele, a dinâmica de poder se inverte, tornando o todo-poderoso Elvis pequeno e humilde.

Ao lidar com a realidade de que Elvis começou seu relacionamento com Priscilla quando ela tinha 15 anos, uma qualidade sombria se instala. Há um sentimento de que ele está se aproveitando dela, mas ele incorpora uma ferida aberta a tal ponto que você o perde de vista como um agressor.

Priscilla não está cegamente hipnotizada pelo encanto de Elvis. Ela tem suas apreensões sobre um relacionamento de longo prazo com uma celebridade de sua proeminência. Os espectadores simpatizam com seu apego a Elvis uma vez que sua vulnerabilidade se torna completamente aparente.

O Desempenho de Jacob Elordi Como Elvis Captura o Lado Sombrio do Rei do Rock

“Priscilla” foi feito com a cooperação da figura homônima, que é produtora do filme. Sua interpretação do marido, juntamente com o interesse geral de Coppola em subverter a imagem de indivíduos elitistas, resulta em um retrato sem precedentes de Elvis. Seu atributo mais forte que se destaca é sua insegurança. Ao longo do filme, Elvis está ansioso com a retórica da mídia sobre ele. Mais notavelmente, seu sonho de ser um ator respeitável lhe causa grande angústia emocional.

O filme se concentra pesadamente na incursão do astro do rock no cinema, um ponto de inflexão em sua carreira que sinaliza uma busca por credibilidade artística aos olhos do público. Uma cena chocante em que Elvis atira uma cadeira contra a parede de seu estúdio de gravação, frustrado com a desaprovação de uma música, quebra a pureza do ícone. A pena que emana de seu acesso não se alinha com as noções do Artista Atormentado, mas mostra-o como um homem que se perdeu.

+ Quer ganhar um teste de até 1 MÊS GRÁTIS DE STREAMING? Clique Aqui e aproveite!

“Maria Antonieta”, a interpretação pós-moderna de Coppola da Rainha da França antes da Revolução Francesa, é o filme companheiro ideal para “Priscilla”. Ambas as figuras históricas titulares, sob sua visão, foram elevadas à realeza e tiveram acesso a riqueza e luxo quase ilimitados. Ela está fascinada pela luta entre a indulgência materialista e o peso avassalador da fama.

Os filmes de Coppola são frequentemente criticados por insistirem em tornar esses benfeitores privilegiados simpáticos por meio de sua melancolia respectiva. Sendo uma das incursões mais nuanceadas da diretora até o momento, “Priscilla” analisa o estilo de vida luxuoso da família Presley com solidão e alienação intensificadas. A gaiola dourada de Graceland faz Priscilla se sentir pequena e claustrofóbica.

‘Priscilla’: Continuando o Interesse de Sofia Coppola na Fama

Para Elvis, cada iteração de sua trajetória de carreira o apresenta como um pop star celebrado, consumido pelo fardo de sua pressão adjacente. O filme modula-se com a mesma atitude, já que não possui nenhuma música do catálogo de Elvis. As instâncias esporádicas em que o vemos entrar no modo de rock star não são para aplausos.

No final do filme, finalmente vemos Elvis subir ao palco em Las Vegas em seu macacão característico, mas, em solidão, se apresenta para uma plateia submersa por uma espessa nuvem de fumaça. A fama associativa de ser Elvis força o homem a perder o controle de sua identidade como ser humano.

Semelhante à claustrofobia psicológica do mundo de Priscilla, Elvis está frequentemente cercado pelo mesmo grupo de amigos ou assistentes em casa ou durante as turnês. Os espectadores não podem deixar de concluir que a condição isolada de Elvis contribui para o mal-estar geral em Graceland.

“Priscilla” certamente não revitalizará uma audiência em massa da mesma forma que seu filme oposto, “Elvis”. Claro, a direção de Sofia Coppola nunca pretendeu ser um sucesso de público empolgante. No entanto, seu filme é uma análise essencial da verdadeira pessoa por trás de Elvis Presley — alguém que era falho, temperamental e vulnerável em sua vida doméstica desmistificada.

A distintiva visão feminina de Coppola demonstra a delicada interpretação de Priscilla Presley de seu suposto paraíso. O cerne de sua visão não filtrada captura seu marido, Elvis, sem seu inextricável esplendor e circunstância. No final do filme, Elvis é apenas um homem. Um homem que Priscilla merece ser independente.

Gostou do nosso conteúdo? Acompanhe-nos no Google News e não perca nenhuma notícia.

Magui Schneider

Magui Schneider

Bacharel em Psicologia pela Faculdade IENH; especialista em Saúde Mental e Atenção Psicossocial pela Universidade Estácio de Sá.

Fã de filmes e séries investigativos, suspense psicológico, comédias, dramas e ação.

Minhas séries favoritas são La Casa de Papel, The Sinner, Sense8, Stranger Things, O Mundo Sombrio de Sabrina, Black Mirror, Lúcifer, Orange Is The New Black, Vis a Vis, Desejo Sombrio, Três Vidas, entre outras.

Já meus filmes favoritos são Jurassik Park, Bird Box, O Limite da Traição, Imperdoável, entre outros.
Amo os filmes de ação com The Rock.

Para relaxar, gosto de uma boa comédia pastelão, incluindo As Branquelas e Os Farofeiros. E como fã incondicional de Paulo Gustavo, sou muito fã de todos os filmes "Minha Mãe é uma Peça".