mortal-kombat-2

Mortal Kombat 2: O Retorno do Conceito de Arcana

O reboot de Mortal Kombat de 2021 surpreendeu com algumas alterações em relação ao material original, mas Mortal Kombat 2 pode justificar as mudanças polêmicas feitas pelo seu antecessor. A nova era cinematográfica de Mortal Kombat tem décadas de material para se basear, graças ao grande número de jogos lançados anteriormente. Embora alguns aspectos da versão mais recente do universo de Mortal Kombat tenham sido elogiados, um ponto em particular foi criticado pelos fãs mais antigos.

Mortal Kombat ousou ao criar um personagem original como protagonista do primeiro filme. No entanto, Lewis Tan como Cole Young acabou sendo bem recebido, e foi outra adição ao filme que atraiu maior crítica. Outra mudança canônica polêmica influencia a origem de todas as lutas do universo live-action de Mortal Kombat, mas é um conceito que a próxima sequência precisa explorar melhor.

+ Quer ganhar um teste de até 1 MÊS GRÁTIS DE STREAMING? Clique Aqui e aproveite!

As origens dos poderes em Mortal Kombat: jogos vs filme

Os lutadores têm uma vasta gama de habilidades sobre-humanas em todos os jogos Mortal Kombat e também nos novos filmes. No entanto, há grandes diferenças entre as duas versões da história em relação à forma como cada personagem adquire seus poderes. Nos games, cada campeão tem uma história de origem individual para explicar suas habilidades únicas. Já o filme de 2021 introduziu um conceito conhecido como “Arcana”, que permite a manifestação dos poderes de um lutador. Esta é uma das maiores diferenças entre os jogos e os filmes de Mortal Kombat.

Nos jogos, não parecem existir limitações sobre quem pode ganhar as habilidades que os ajudam a competir no torneio Mortal Kombat. No filme de 2021, apenas os marcados com a assinatura do dragão podem desbloquear seus poderes (embora a marca possa ser passada de uma pessoa para outra se o portador do símbolo for morto). Então, o assassino herda o famoso logotipo, que aparece em alguma parte do seu corpo.

Ter a marca do dragão é apenas parte da jornada de um campeão para obter seus poderes, pois sua Arcana precisa ser desbloqueada. O método de despertar as habilidades parece diferir de pessoa para pessoa. Para alguns, grandes quantidades de dor precisam ser suportadas, enquanto personagens como Kano descobrem sua Arcana em momentos de intensa emoção.

O problema com os poderes Arcana em Mortal Kombat

A introdução de Arcana nos filmes Mortal Kombat tira o foco das ricas histórias de origem de seus personagens. O Arcana atua como um dispositivo de enquadramento, explicando rapidamente como cada um possui seus poderes, mas isso torna a franquia menos intrigante como resultado. Cada lutador nos jogos tem uma história que aborda suas habilidades, e embora Arcana agilize esse processo, ainda não fornece uma resposta definitiva para cada um dos personagens do filme.

Além disso, a mudança com Arcana não funciona para todo mundo. Ela funciona bem para Sub-Zero e Liu Kang, cujos poderes elementais são típicos do misticismo do gênero. No entanto, poderes baseados em tecnologia, como os braços biônicos de Jax e o laser de Kano, não combinam bem com o conceito de Arcana e com o universo Mortal Kombat. Por exemplo, parece que a Arcana de Jax seria aprimorar seus braços mecânicos, o que só faz sentido porque ele já usa próteses.

O laser de Kano também remete a um artefato tecnológico, então sua Arcana parece mais uma habilidade contemporânea do que algo capaz de se manifestar em qualquer ponto da história. Arcana também rouba de personagens divinos como Raiden sua história de origem. No filme, Raiden possui duas habilidades (raios e teletransporte) ao invés do limite de um único poder concedido a outros personagens. Esse fato já cria uma contradição na lógica da Arcana.

Por que Mortal Kombat 2 precisa manter o conceito de Arcana

O Arcana pode ter suas falhas, mas infelizmente é tarde demais para voltar atrás. Quando o primeiro Mortal Kombat introduziu o conceito, ficou claro que ele seria incorporado de forma permanente no cânone do novo universo cinematográfico. Mudar de rumo e reescrever a origem de como os personagens do filme ganharam seus poderes agravaria o problema.

Ademais, a mudança mais polêmica da tradição de Mortal Kombat é uma ótima notícia para Johnny Cage e outros personagens inéditos nos filmes. Algumas figuras dos jogos, como Johnny Cage, têm uma história de fundo pouco clara que nunca explica como possuem habilidades especiais. Então, embora a Arcana não funcione bem para todos, é uma grande melhoria para a origem de alguns dos principais personagens da franquia.

As regras de Mortal Kombat 2021 já estão estabelecidas, então Arcana veio para ficar. A nova forma de explicar os poderes dos lutadores pode ser questionada, mas ao menos economiza tempo e permite que os roteiristas de Mortal Kombat iniciem a narrativa muito mais cedo.

Como os poderes Arcana de Mortal Kombat 2 podem ser melhores

Só porque os poderes Arcana já fazem parte do cânone dos filmes não significa que eles não possam ser alterados um pouco em Mortal Kombat 2. O misterioso fenômeno ainda tem perguntas sem resposta, incluindo se campeões sem sua Arcana ativada ainda ganham alguma forma de aprimoramento só por terem a marca do dragão. Por exemplo, Cole é um lutador habilidoso no início do filme, mesmo antes de descobrir sua linhagem, e essa habilidade inata pode originar de sua marca.

Mortal Kombat 2 também poderia explorar melhor a ideia da Arcana e conceder habilidades secundárias àqueles que já manifestaram seus poderes. Por exemplo, os braços mecânicos de Jax explicados pelo Arcana podem não fazer tanto sentido, mas conceder a ele outro poder desviaria a atenção desse deslize de roteiro. A dupla capacidade de Raiden é prova de que um lutador pode ter mais de um poder Arcana, então Mortal Kombat 2 já tem uma base sobre a qual pode se apoiar.

Mortal Kombat (2021) pode ser assistido na HBO Max, mas ainda não há data de lançamento oficial para Mortal Kombat 2.

Gostou do nosso conteúdo? Acompanhe-nos no Google News e não perca nenhuma notícia.

Magui Schneider

Magui Schneider

Bacharel em Psicologia pela Faculdade IENH; especialista em Saúde Mental e Atenção Psicossocial pela Universidade Estácio de Sá.

Fã de filmes e séries investigativos, suspense psicológico, comédias, dramas e ação.

Minhas séries favoritas são La Casa de Papel, The Sinner, Sense8, Stranger Things, O Mundo Sombrio de Sabrina, Black Mirror, Lúcifer, Orange Is The New Black, Vis a Vis, Desejo Sombrio, Três Vidas, entre outras.

Já meus filmes favoritos são Jurassik Park, Bird Box, O Limite da Traição, Imperdoável, entre outros.
Amo os filmes de ação com The Rock.

Para relaxar, gosto de uma boa comédia pastelão, incluindo As Branquelas e Os Farofeiros. E como fã incondicional de Paulo Gustavo, sou muito fã de todos os filmes "Minha Mãe é uma Peça".