corra-fatos-reais

Corra! História Real Por Trás do Filme

Transcendendo os limites do terror, o filme Corra! traz à tona horrores fictícios com uma trama envolvente.

Corra!“, dirigido por Jordan Peele, é um filme que transcende os limites do terror, mesclando elementos de fantasia com questões profundas da realidade social. A trama envolvente de Chris Washington (Daniel Kaluuya) durante um fim de semana aterrorizante na casa dos Armitage traz à tona horrores fictícios. Além disso, reflexões sobre o racismo e a discriminação presentes na sociedade. Uma dúvida comum que surge ao assistir ao filme é se sua história tem base em fatos reais. Vamos explorar essa questão complexa.

Não é Tecnicamente Baseado em uma História Real

“Corra!” apresenta elementos fantásticos, como o transplante cerebral realizado pela Ordem de Coagula. E por isso, não há um evento específico que tenha inspirado a história de Peele. A narrativa é uma mistura de horrores da vida real e um toque de fantasia, explorando principalmente questões sociais persistentes, como o racismo.

O filme critica o racismo moderno. E destaca como os Armitage e seus amigos insistem em não ser racistas, e expressam constantemente sua admiração pela cultura negra, celebridades e atletas. Ao mesmo tempo, questionam Chris sobre as “vantagens” dos genes dos negros. Toda essa aparente admiração revela, na verdade, o racismo subjacente.

A Ordem de Coagula, obcecada por negros a ponto de querer literalmente ser como eles, representa uma forma inusitada e inesperada de representar a escravidão. Situações da vida real, como tiroteios de alto perfil envolvendo negros pela polícia, influenciaram e impactaram o filme, chegando ao ponto de alterar o final originalmente planejado por Jordan Peele.

Inspirações de Jordan Peele para “Corra!”

Jordan Peele buscou inspiração em horrores da vida real e no racismo cotidiano, mas também incorporou elementos de diversos filmes em sua obra. Dois dos maiores inspiradores de “Corra!” foram “O Bebê de Rosemary” e “As Esposas de Stepford”. A personagem Rose, por exemplo, tem seu nome derivado da protagonista de “O Bebê de Rosemary”, Rosemary Underwood. Já o avô tem o nome de Roman, inspirado em Roman Castevet.

A influência de “As Esposas de Stepford” é mais evidente, pois ambos os filmes lidam com grupos perigosos que assumem o controle das vidas e corpos de outras pessoas. Em “Corra!”, é a Ordem de Coagula com sua cirurgia cerebral em pessoas negras; em “As Esposas de Stepford”, é a Associação dos Homens que mata suas esposas e utiliza sua semelhança para criar androides submissas.

Outro filme que inspirou “Corra!” é “O Silêncio dos Inocentes”, refletido nas interações entre Chris e Missy (mãe de Rose) durante a sessão de hipnose, semelhante à relação entre Hannibal Lecter e Clarice.

Gostou do nosso conteúdo? Acompanhe-nos no Google News e não perca nenhuma notícia.

Magui Schneider

Magui Schneider

Bacharel em Psicologia pela Faculdade IENH; especialista em Saúde Mental e Atenção Psicossocial pela Universidade Estácio de Sá.

Fã de filmes e séries investigativos, suspense psicológico, comédias, dramas e ação.

Minhas séries favoritas são La Casa de Papel, The Sinner, Sense8, Stranger Things, O Mundo Sombrio de Sabrina, Black Mirror, Lúcifer, Orange Is The New Black, Vis a Vis, Desejo Sombrio, Três Vidas, entre outras.

Já meus filmes favoritos são Jurassik Park, Bird Box, O Limite da Traição, Imperdoável, entre outros.
Amo os filmes de ação com The Rock.

Para relaxar, gosto de uma boa comédia pastelão, incluindo As Branquelas e Os Farofeiros. E como fã incondicional de Paulo Gustavo, sou muito fã de todos os filmes "Minha Mãe é uma Peça".