Barbie Quem é Ruth no filme

Barbie: Quem é Ruth no filme?

O universo dos brinquedos foi impactado para sempre em 1959, quando Ruth Handler, juntamente com o marido Elliot, introduziu ao mundo a boneca Barbie. A história por trás dessa inovação revolucionária no mercado de brinquedos se tornou um fenômeno cultural tão grande que agora é o tema de um novo filme live-action, protagonizado por Margot Robbie e Ryan Gosling.

A gênese da Barbie

Ruth e Elliot co-fundaram a empresa Mattel em 1945, junto com Harold Matson. O grande marco em sua história, no entanto, só veio 14 anos depois. Foi quando Ruth Handler viu uma boneca na janela de uma loja enquanto estava de férias na Suíça com sua família. O brinquedo se chamava Lilli, e sua aparência adulta e roupas variadas despertaram a imaginação de Ruth. Ela percebeu o entusiasmo de sua filha ao brincar com bonecas de papel com roupas intercambiáveis e entendeu a necessidade de uma boneca semelhante no mercado.

Observando que a boneca Lilli vinha com diversas roupas que precisavam ser compradas separadamente, Ruth teve uma ideia inovadora: criar uma boneca que já viesse com mais de uma roupa. A primeira boneca Barbie, portanto, não foi apenas uma boneca com um nome. Foi uma revolução nas prateleiras de brinquedos, algo muito diferente do que já havia chegado ao mercado.

Homenagem pessoal e preocupação com a imagem corporal

Ruth nomeou a boneca em homenagem à sua filha Barbara. Depois, também criou o companheiro da Barbie, Ken, nomeado em homenagem ao seu filho com Elliot, Kenneth. Durante o processo de design da boneca, Ruth expressou uma preocupação notável em relação à autoimagem das meninas que brincariam com a Barbie.

Em uma entrevista ao BBC Witness History em 1997, Handler afirmou que se esforçou para não tornar a Barbie excessivamente bela. A intenção era evitar que as meninas se sentissem ameaçadas pela beleza da boneca, ao projetarem suas imaginações nela.

A visão de Barbara

A experiência de Barbara, a filha de Ruth e inspiração para a boneca, é abordada no filme de Greta Gerwig. Barbara contou à BBC que foi estranho ser constantemente associada ao seu homônimo. Pessoas buscavam seu autógrafo e a consideravam “a verdadeira Barbie”, um conceito que ela nunca entendeu completamente, pois Barbie era apenas um nome atribuído à boneca.

A luta de Ruth contra o câncer de mama

Ruth Handler enfrentou um desafio significativo em 1975 quando foi diagnosticada com câncer de mama, o que a levou a realizar uma mastectomia dupla e se demitir da Mattel. Sua luta contra a doença gerou um novo caminho de inovação: ela criou próteses mamárias para mulheres que, como ela, realizaram mastectomias.

Ao perceber que a indústria de próteses estava severamente carente, Ruth inventou o produto “Almost Me” (Quase Eu). Na época, o câncer de mama ainda era um tabu, mas Ruth escolheu se expressar abertamente sobre o assunto. Sua empresa se tornou um sucesso milionário, e ela vendeu o negócio em 1991.

Ruth Handler faleceu em 2002, aos 85 anos, devido a complicações de uma cirurgia de câncer de cólon. Sua vida e sua contribuição à indústria de brinquedos e à cultura popular, porém, vivem na memória coletiva e agora são homenageadas no novo filme Barbie.

Conclusão

Desde o nascimento da Barbie em 1959, a boneca tem sido uma figura emblemática na indústria de brinquedos e na cultura pop em geral. A vida de Ruth Handler, a mulher por trás da Barbie, foi marcada pela inovação, determinação e resistência. E agora, sua história ganha vida na tela grande, permitindo que uma nova geração descubra a incrível mulher por trás de um dos brinquedos mais icônicos de todos os tempos.

Gostou do nosso conteúdo? Acompanhe-nos no Google News e não perca nenhuma notícia.

Priscilla Kinast

Priscilla Kinast

Priscilla é redatora de web sites há cerca de 8 anos, tendo ao todo 15 anos de experiência com produção de conteúdo para a internet. Graduada em Administração de Empresas (Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre), encontrou sua verdadeira paixão na administração de websites. Devido sua experiência com redação de conteúdo, obteve registro profissional como jornalista pelo Ministério do Trabalho (Registro Profissional: 0020361/RS).

Apaixonada por séries e filmes de ficção científica, suspense psicológico, dramas e comédias.
As séries favoritas são Sense8, Black Mirror, Orphan Black e The 100. E para além das ficções, gosto também de Orange Is The New Black, How I Met You Mother, Grey's Anatomy, Breaking Bad, Anne with an E, entre outras.
Já no que se trata de filmes, os melhores em sua opinião são Interestellar, Efeito Borboleta, Matrix, A Ilha do Medo, Projeto Almanaque, Onde Está Segunda, Eu Sou a Lenda, etc.