amor_e_morte

A verdadeira história por trás de Amor e Morte, série HBO Max

A série fornece uma nova perspectiva sobre uma história e explora os personagens de maneira mais profunda do que suas versões anteriores.

Na série limitada da HBO Max, “Love & Death”, Elizabeth Olsen retorna às telas após o sucesso de “WandaVision” no Disney+. Desta vez, ela interpreta Candy Montgomery, uma mulher real conhecida por ter cometido um assassinato em 1980. A série se baseia no livro de Jim Atkinson e Joe Bob Briggs, intitulado “Evidence of Love: A True Story of Passion and Death in the Suburbs”. A trama segue a vida de Montgomery antes e após o crime que mudou sua vida e a de muitos outros.

+ Quer ganhar um teste de até 1 MÊS GRÁTIS DE STREAMING? Clique Aqui e aproveite!

Os primeiros episódios e a trama de Amor e Morte

Os 6 primeiros episódios já estão disponíveis na HBO Max, e a série promete ser emocionante. Conhecemos Candy Montgomery, uma dona de casa temente a Deus e amada por sua pequena comunidade metodista no Condado de Collin, Texas.

No entanto, sua vida toma um rumo sombrio quando ela se envolve em um caso extraconjugal com Allan Gore, amigo de longa data e marido de Betty Gore. Os encontros secretos do casal levam a uma tragédia quando Betty descobre a traição e confronta Candy, resultando em um confronto violento que acaba com a morte de Betty.

O julgamento e suas consequências

O julgamento de Candy Montgomery se torna uma sensação nacional devido à natureza obscura do assassinato. Questões envolvendo traumas de infância e legítima defesa são levantadas, tornando o caso ainda mais intrigante. Na série, o julgamento atrai uma grande quantidade de repórteres, fotógrafos e espectadores, a ponto de o juiz pedir que o processo seja transferido para um tribunal maior. No final, assim como na vida real, Candy é considerada inocente. No entanto, sua reputação é manchada, levando-a a mudar-se com sua família para a Geórgia.

A fidelidade à história original

Amor e Morte se baseia em eventos reais. Porém, a série faz questão de lembrar os espectadores que é uma dramatização dos fatos. Diálogos, cenas e eventos foram modificados ou criados para fins dramáticos. Essa não é a primeira adaptação do caso de Candy Montgomery, com filmes e minisséries anteriores abordando a história. No entanto, críticos notaram a semelhança entre as representações, com cenas sendo recriadas de maneira idêntica às adaptações anteriores.

O que faz de Amor e Morte diferente?

Ao contrário de outras séries baseadas em crimes reais, Amor e Morte se destaca por sua abordagem cuidadosa dos personagens envolvidos. O criador David E. Kelley se recusa a retratar as pessoas reais como caricaturas ou personagens estranhos. Isso proporciona uma nova dimensão aos personagens e evita a simplificação da história. Críticos elogiaram essa abordagem, considerando-a uma correção bem-vinda após outras séries do mesmo gênero.

A visão dos criadores

Em uma entrevista, a diretora da série, Lesli Linka Glatter, explicou o que a atraiu para contar essa história mesmo com o desfecho conhecido. Ela mencionou o interesse em explorar a profundidade dos personagens e a complexidade de suas vidas. Glatter ressaltou que, apesar do cenário nostálgico e caloroso da comunidade retratada na série, o desfecho trágico com um assassinato brutal é algo raro de se encontrar.

Gostou do nosso conteúdo? Acompanhe-nos no Google News e não perca nenhuma notícia.

Magui Schneider

Magui Schneider

Bacharel em Psicologia pela Faculdade IENH; especialista em Saúde Mental e Atenção Psicossocial pela Universidade Estácio de Sá.

Fã de filmes e séries investigativos, suspense psicológico, comédias, dramas e ação.

Minhas séries favoritas são La Casa de Papel, The Sinner, Sense8, Stranger Things, O Mundo Sombrio de Sabrina, Black Mirror, Lúcifer, Orange Is The New Black, Vis a Vis, Desejo Sombrio, Três Vidas, entre outras.

Já meus filmes favoritos são Jurassik Park, Bird Box, O Limite da Traição, Imperdoável, entre outros.
Amo os filmes de ação com The Rock.

Para relaxar, gosto de uma boa comédia pastelão, incluindo As Branquelas e Os Farofeiros. E como fã incondicional de Paulo Gustavo, sou muito fã de todos os filmes "Minha Mãe é uma Peça".