HOUSE OF THE DRAGON

Os saltos no tempo de House of the Dragon só vão piorar

Os 2 primeiros episódios de House of the Dragon acontecem pouco menos de 200 anos antes do início da série original.

Tempo estimado de leitura: 5 minutos

O episódio 2 de House of the Dragon começa com um salto no tempo, uma técnica de contar histórias que continuará na 1ª temporada. Dessa forma, também deve preencher a lacuna entre a série e sua sequência de Game of Thrones. Os 2 primeiros episódios acontecem pouco menos de 200 anos antes do início da série original. E narram o início do fim do governo da Casa Targaryen sobre Westeros. 

A série começa com a coroação do rei Viserys I Targaryen, e a busca por seu próximo herdeiro. Esse fato, leva a complicações com sua filha Rhaenyra Targaryen e irmão Daemon Targaryen. O episódio 2 de House of the Dragon é intitulado “The Rogue Prince”. Este título refere-se a Daemon Targaryen (Matt Smith) e sua captura de Pedra do Dragão, a sede ancestral da Casa Targaryen. 

Final explicado do primeiro episódio de House of The Dragon

O final do 1º episódio viu Daemon banido de Porto Real por seu irmão Viserys, pouco antes de este último nomear Rhaenyra (Milly Alcock) como a sua próxima herdeira do Trono de Ferro. No entanto, o episódio 1 termina com Daemon simplesmente deixando a cidade em seu dragão, Caraxes, com seu paradeiro desconhecido.

O destino de Daemon foi revelado no episódio 2, com a ajuda de um salto no tempo que acelera a história em 6 meses. Daemon, portanto, manteve Pedra do Dragão por 6 meses, desafiando as ordens de Viserys e coroando Rhaenyra. E o ponto crucial do episódio focou nos 2 últimos personagens lidando com a insolência de Daemon. 

O salto no tempo de 6 meses no episódio 2 pode ser uma surpresa para os espectadores a princípio, com apenas uma linha de diálogo confirmando a passagem do tempo. No entanto, esse salto no tempo será apenas o primeiro de muitos com a duração e a frequência confirmadas para piorar (pelo menos em termos de uso em oposição ao efeito na história).

Por que House Of The Dragon precisa de tantos saltos no tempo (quando GOT não precisou)?

Com os saltos no tempo crescentes em tamanho e quantidade, a questão paira sobre por que House of the Dragon precisa deles em primeiro lugar quando sua série de sequências não precisava. A resposta é simples: a série ocorre em um tempo muito mais amplo do que a linha do tempo de GoT.

Game of Thrones ocorre em um período aproximado de 7 anos, com os eventos de cada temporada seguindo as coisas mostradas no próprio programa. Embora o mesmo seja verdade para House of the Dragon, com cada temporada influenciando a próxima, a linha do tempo em que esses eventos ocorrem é mais ampla. 

Quantos anos serão cobertos na 1ª temporada de House of the Dragon?

Esses saltos no tempo podem levar o público a se perguntar quanto da linha do tempo de Westeros será coberta em House of the Dragon. Bem, George R. R, Martin, autor de As Crônicas de Gelo e Fogo, Fogo e Sangue e co-criador da série, confirmou que o show acontecerá em um período de 28 anos. 

Dado que a 1ª cena do episódio 1 apresenta o Grande Conselho que coroa o Rei Viserys I Targaryen de 101AC, o show acontecer 28 anos depois, o coloca no centro da Dança dos Dragões, que começou em 129AC. Enquanto a guerra dura até 131AC, que seria 30 anos após o início de House of the Dragon, faria sentido para o show culminar com a guerra que começou com o fim da Casa Targaryen.

Os saltos no tempo de House Of The Dragon serão um problema?

Uma série com tantos saltos no tempo deve justificar algum motivo de preocupação. Naturalmente, saltos de tempo sem fim que abrangem meses e provavelmente anos podem causar alguma hesitação com o fluxo narrativo natural de um projeto. 

No entanto, dada a forma como a série foi construída desde o início de sua produção como precursor da Dança dos Dragões, fica claro que George RR Martin (autor de GoT), Ryan J. Condal e Miguel Sapochnik têm um entendimento firme sobre os eventos que levaram à guerra civil Targaryen. Isso significa que os saltos no tempo provavelmente só beneficiarão a série. E assim, os showrunners devem mostrar todos os eventos no período de 30 anos que levam os Targaryens à guerra dentro de si.

O único outro problema potencial vem com os maiores saltos no tempo, pedindo muito do público em termos de seguir a linha do tempo. Com saltos menores, como aquele entre os episódios 1 e 2 de House of the Dragon, algumas linhas de diálogo são tudo o que é necessário para estabelecer o intervalo de tempo. 

Com os saltos maiores, o problema será evitado pela reformulação de certos personagens. Tais, como Rhaenyra e Alicentque, interpretada por Emma D’Arcy e Olivia Cooke, respectivamente. As atrizes que interpretam as duas mais jovens, Milly Alcock e Emily Carey, estão fazendo trabalhos fantásticos nos papéis, tornando a reformulação problemática. 

Magui Schneider

Magui Schneider

Bacharel em Psicologia pela Faculdade IENH; especialista em Saúde Mental e Atenção Psicossocial pela Universidade Estácio de Sá.

Fã de filmes e séries investigativos, suspense psicológico, comédias, dramas e ação.

Minhas séries favoritas são La Casa de Papel, The Sinner, Sense8, Stranger Things, O Mundo Sombrio de Sabrina, Black Mirror, Lúcifer, Orange Is The New Black, Vis a Vis, Desejo Sombrio, Três Vidas, entre outras.

Já meus filmes favoritos são Jurassik Park, Bird Box, O Limite da Traição, Imperdoável, entre outros.
Amo os filmes de ação com The Rock.

Para relaxar, gosto de uma boa comédia pastelão, incluindo As Branquelas e Os Farofeiros. E como fã incondicional de Paulo Gustavo, sou muito fã de todos os filmes "Minha Mãe é uma Peça".