O Telefone Preto: 10 vilões mais assustadores que Grabber

O Telefone Preto: 10 vilões mais assustadores que Grabber

Ele está em alta, mas a história do cinema já nos brindou com grandes antagonistas.

Tempo estimado de leitura: 5 minutos

O Telefone Preto é a sensação do momento quando o assunto é terror. O novo filme do diretor Scott Derrickson (O Exorcismo de Emily Rose), trabalha um tipo de narrativa conhecida do público, mas se destaca por reciclar alguns clichês.

Baseada num livro de Joe Hill, filho de Stephen King, a trama apresenta Ethan Hawke no papel de Grabber, um sádico serial killer mascarado. Assim como outros vilões, será que o personagem possui as características para entrar para lista dos grandes antagonistas do cinema? Para tentar responder vamos relembrar 10 nomes assustadores que, certamente, fizeram parte dos pesadelos de muitas pessoas.  

Lorde Voldemort (Franquia Harry Potter)

O tão temido vilão que aterroriza a vida do bruxo mais amado do cinema provou que será inesquecível. Seu desejo por eliminar qualquer um que ameace a sua imortalidade, ultrapassa o sadismo de Grabber.

Annie Wilkes (Louca Obsessão – 1990)

Com toda certeza Annie Wilkes está entre as vilãs mais icônicas do cinema. Ao sequestrar o escritor Paul Sheldon, a adorável enfermeira dá lugar a uma tirana torturadora. Sua natureza obsessiva tem o poder de causar pânico no público, muito além do que a máscara de Grabber pode provocar.

Carrie White (Carrie, A Estranha -1976)

É provável que algumas pessoas não a considerem uma vilã, mas uma vítima. Apesar de possuir poderes sobrenaturais sua reação violenta ao bullying sofrido é extremamente assustadora. Mas, num ato de empatia é possível que passemos a torcer para que os ‘malvados’ provoquem sua ira, já que a resposta ensinará uma lição.

Pennywise (It: A Coisa – 2017)

Certamente esse personagem vive no inconsciente de muita gente. Desde o primeiro filme, lançado em 1990, It firmou seu pé na lista dos vilões mais aterrorizantes do cinema. Apesar de conhecidos por suas aparições obscuras, Pennywise soma ainda ao currículo a responsabilidade pelo aumento do medo de palhaços.

Esther Coleman (A Órfã – 2009)

Nos últimos anos, as crianças se tornaram uma estratégia bastante utilizada pelos produtores de filmes de terror. Afinal, parece algo contraditório, já que elas representam inocência e bons sentimentos. Mas Esther vem para provar que a psicopatia não tem idade. A sensação de horror se torna maior ao saber que a trama é baseada, em partes, em uma história real.

Freddy Krueger (Franquia A Hora do Pesadelo)

Freddy Krueger certamente fez parte dos pesadelos de muita gente nos anos de 1980 e 1990. A famosa luva com garras, sua risada e a pele rasgada, era a perfeita representação do terror para os espectadores. Na época muitos fãs relataram que passaram a sofrer crises de ansiedade antes de dormir. Afinal, o modus operandi do vilão era invadir os sonhos de jovens e suga-los de suas camas antes de mata-los.

Regan MacNeil (O Exorcista – 1973)

O Exorcista é considerado um dos filmes mais assustadores já feitos. Aliás, muitos fãs de terror defendem que o enredo se tornou modelo para filmes posteriores. O longa acompanha a jovem Reagan que luta para se livrar de um monstro preso dentro dela. Apesar da maquiagem impressionar para a época, a atuação do elenco é o que qualifica ainda mais a produção.

Michael Myers (Franquia Halloween)

Michael Myers inegavelmente foi um dos fundadores do terror slasher. O subgênero é reconhecido por apresentar elementos específicos como o uso de máscara. Portanto, podemos dizer que Grabber tem um que de Michel. Contudo, a maior diferença entre eles está no fato do protagonista de Halloween não falar, o que torna a sua figura mais assustadora.  

Jack Torrance (O Iluminado – 1980)

É impossível não lembrar de Jack Nicholson em Iluminado. Embora a trilha sonora e a iluminação criarem uma atmosfera de medo, é a performance do ator que marcou a história do terror. Os ataques frenéticos e a completa falta de empatia arrepiaram os fãs. No entanto, o fato de saber que a personalidade de Nicholson poderia mudar a qualquer momento, causou calafrios nos espectadores.  

Hannibal Lector (O Silêncio dos Inocentes – 1991)

Anthony Hopkins deixou sua marca ao interpretar Hannibal Lecter, um dos psicopatas mais assustadores do cinema. Inteligente, educado e calmo, inicialmente o espectador não entende porque ele está preso em uma unidade de segurança máxima obrigado a usar uma focinheira. No entanto, logo descobrem que por traz da polidez se esconde um serial killer canibal.

Gabriele Lorscheiter

Gabriele Lorscheiter

Gabriele Lorscheiter, ou simplesmente Gabi, é formada em Comunicação Social, Habilitação em Jornalismo com ênfase em Gestão da Comunicação pelo Centro Universitário Metodista - IPA.