godzilla

Monarch: Série expõe grande diferença entre Monsterverse, Godzilla e outras versões

O Monsterverse continua a moldar e reinventar o icônico Godzilla, adicionando camadas únicas à sua personalidade e história.

O universo Monsterverse, que trouxe Godzilla de volta às telonas, não apenas honra a icônica figura da cultura pop, mas também adiciona nuances únicas ao kaiju que todos conhecemos e amamos. O incidente do Castle Bravo em “Monarch: Legacy of Monsters” revela aspectos surpreendentes do Godzilla do Monsterverse, destacando diferenças marcantes em relação às representações anteriores do clássico monstro. Vamos explorar as mudanças mais notáveis e como essas características distintas moldam o Godzilla dessa franquia.

+ Quer ganhar um teste de até 1 MÊS GRÁTIS DE STREAMING? Clique Aqui e aproveite!

Origem Drástica: Uma Entidade Anciã Desperta

Ao contrário da visão clássica da Toho, que sempre retrata Godzilla como um produto do uso de armas nucleares pela humanidade, o Monsterverse optou por uma abordagem única em relação à origem do kaiju. Aqui, Godzilla é apresentado como uma entidade extremamente antiga, despertada por um submarino nuclear na década de 1950. Essa mudança drástica na origem redefine a natureza do personagem, distanciando-se significativamente da abordagem tradicional da Toho.

O episódio 3 de “Monarch: Legacy of Monsters” joga luz sobre uma característica marcante do Godzilla do Monsterverse: sua notável inação diante da adversidade. O teste do Castle Bravo em 1954, no qual o exército americano atinge Godzilla com uma bomba nuclear, revela que o monstro não retaliou. Em vez disso, ele simplesmente retornou ao oceano. Essa falta de resposta agressiva, mesmo diante de uma ameaça tão grave, é uma característica única que diferencia esse Godzilla de todas as versões anteriores.

Menos Agressivo do que Nunca

A inação de Godzilla, destacada em “Monarch: Legacy of Monsters,” vai além do que foi apresentado nos filmes anteriores do Monsterverse. Mesmo nas versões “boas” de Godzilla da Toho, o monstro geralmente retaliava quando atacado pela militar, destruindo jatos e tanques que se atreviam a enfrentá-lo. A cena do Castle Bravo nesse episódio específico ressalta a surpreendente falta de agressividade, mesmo diante de um ataque nuclear.

O Godzilla do Monsterverse como Herói, Não Vilão

Essa característica única do Godzilla do Monsterverse reforça a ideia de que esse kaiju está longe de ser um vilão. Mesmo em “Godzilla vs. Kong,” onde a narrativa flertou com a ideia de Godzilla como antagonista, eventos revelaram que suas ações visavam impedir a ressurreição de Ghidorah como Mechagodzilla pela APEX. O episódio 3 de “Monarch: Legacy of Monsters” solidifica a posição do Monsterverse: seu Godzilla não é um inimigo da humanidade, e essa perspectiva dificilmente mudará.

O Monsterverse continua a moldar e reinventar o icônico Godzilla, adicionando camadas únicas à sua personalidade e história. A inação diante da adversidade e a origem distinta destacam essa versão do kaiju como algo verdadeiramente singular. “Monarch: Legacy of Monsters” não apenas expande o universo cinematográfico, mas também reforça que, no coração desse monstro gigante, há uma força que busca proteger, não destruir. A jornada do Godzilla do Monsterverse está longe de terminar, e os fãs mal podem esperar para ver para onde essa narrativa única os levará.

Gostou do nosso conteúdo? Acompanhe-nos no Google News e não perca nenhuma notícia.

Magui Schneider

Magui Schneider

Bacharel em Psicologia pela Faculdade IENH; especialista em Saúde Mental e Atenção Psicossocial pela Universidade Estácio de Sá.

Fã de filmes e séries investigativos, suspense psicológico, comédias, dramas e ação.

Minhas séries favoritas são La Casa de Papel, The Sinner, Sense8, Stranger Things, O Mundo Sombrio de Sabrina, Black Mirror, Lúcifer, Orange Is The New Black, Vis a Vis, Desejo Sombrio, Três Vidas, entre outras.

Já meus filmes favoritos são Jurassik Park, Bird Box, O Limite da Traição, Imperdoável, entre outros.
Amo os filmes de ação com The Rock.

Para relaxar, gosto de uma boa comédia pastelão, incluindo As Branquelas e Os Farofeiros. E como fã incondicional de Paulo Gustavo, sou muito fã de todos os filmes "Minha Mãe é uma Peça".