medida_provisoria-mensagem

Medida Provisória: Uma Reflexão sobre Racismo e Resistência no Brasil

Imagine um Brasil distópico, onde a autoridade governamental toma medidas extremas, forçando a população afrodescendente a retornar à África. Essa é a narrativa provocativa e intensa do filme “Medida Provisória”. No entanto, o que parece ficção também serve como um espelho para o Brasil contemporâneo, onde o racismo estrutural persiste. Neste artigo, exploraremos as nuances desse enredo, destacando sua importância social.

+ Quer ganhar um teste de até 1 MÊS GRÁTIS DE STREAMING? Clique Aqui e aproveite!

Retrato Distópico: A MP que Transformou o Brasil

O filme “Medida Provisória” pinta um futuro sombrio, onde o governo, em uma atitude autoritária, decide enviar todos os cidadãos negros do Brasil de volta à África. Justificando como uma forma de “reparação social” pelo passado escravocrata do país, essa medida causa caos e barbárie, revelando uma realidade distópica que ecoa no presente. A falta de diálogo com a população negra, somada à higienização social, destaca a perversidade do racismo estrutural.

O longa-metragem, uma mistura de drama, comédia e ação, oferece uma “emoção suspensa” ao abordar a deportação em massa da população negra. As cenas de tensão se agravam pelo humor ácido dos personagens, o que cria uma narrativa ainda mais intensa. A diversidade musical e as referências culturais destacam o Brasil do presente, confrontando-nos com a falta de reconhecimento histórico.

O Brasil Pós-Abolição: Desafios e Perspectivas

O filme levanta questões fundamentais sobre o Brasil pós-abolição da escravatura em 1888. O complexo de “vira-lata” da branquitude elitista é posto em xeque, enquanto o enredo destaca a importância das cotas raciais. A falta de reconhecimento da história e a necessidade de uma escuta ativa das vítimas do racismo são gritantes, como pontua Lazaro Ramos em “Na Minha Pele”.

Ao discutir o racismo estrutural, é crucial compreender como ele se configura na sociedade brasileira. O filme provoca reflexões sobre a representatividade em diversas esferas, desde profissões até os meios de comunicação. A desigualdade econômica é destacada como uma manifestação estruturada do racismo, evidenciada por dados estatísticos do IBGE.

Ao finalizar, é essencial entender que combater o racismo não deve ser uma questão exclusiva da população negra. O filme “Medida Provisória” nos instiga a enfrentar a urgência dessa luta, promovendo mudanças em políticas públicas, inclusão nos espaços de poder e um debate profundo sobre desigualdade social. Para construir um Brasil mais digno e justo, precisamos reconhecer o passado, valorizar a diversidade e adotar uma postura antirracista em todas as esferas da sociedade. Afinal, como pontua Gilberto Gil, é hora de pendurar o chicote da intolerância e devolver o chão a quem sempre foi parte fundamental da construção deste país.

Gostou do nosso conteúdo? Acompanhe-nos no Google News e não perca nenhuma notícia.

Magui Schneider

Magui Schneider

Bacharel em Psicologia pela Faculdade IENH; especialista em Saúde Mental e Atenção Psicossocial pela Universidade Estácio de Sá.

Fã de filmes e séries investigativos, suspense psicológico, comédias, dramas e ação.

Minhas séries favoritas são La Casa de Papel, The Sinner, Sense8, Stranger Things, O Mundo Sombrio de Sabrina, Black Mirror, Lúcifer, Orange Is The New Black, Vis a Vis, Desejo Sombrio, Três Vidas, entre outras.

Já meus filmes favoritos são Jurassik Park, Bird Box, O Limite da Traição, Imperdoável, entre outros.
Amo os filmes de ação com The Rock.

Para relaxar, gosto de uma boa comédia pastelão, incluindo As Branquelas e Os Farofeiros. E como fã incondicional de Paulo Gustavo, sou muito fã de todos os filmes "Minha Mãe é uma Peça".